desde o início da quarentena a gente tem aprendido a ressignificar tantas coisas, entre elas hábitos e comportamentos que faziam parte da nossa rotina. e é aí que a gente se dá conta que tudo o que tava acontecendo era o resultado de uma forma quase que inconsciente que a gente tem de se autossabotar. e já pararam para pensar que isso é algo que acompanha a gente em um percurso muito longo da nossa vida?

e é por isso que queremos tocar um ponto delicado que se relaciona com o que falamos. é ele, o amor próprio. sabemos que começar a se amar não é um processo bonito, fácil e prazeroso como parece. quando a gente olha na internet ou vê aqueles perfis cheios de dicas incríveis sobre como melhorar a nossa autoestima, precisamos entender que aquilo ali não tá nem perto do início do processo. é só uma pontinha.

para que a gente consiga enxergar de forma mais clara as nossas partes mais bonitas, precisamos abraçar, também, aquelas que mais doem. mas por que é tão difícil a gente conseguir se valorizar, a nossa história, trabalho e cada pequena conquista? se conhecer não é sobre conseguir criar novas versões de você só para agradar àqueles que te cercam. se conhecer é descobrir o caminho menos doloroso e explorar todas as possibilidades que existem dentro de você.

afinal de contas, você não é só um corpo. você é milhares de partículas de coisas incríveis, só precisa se olhar com mais carinho. somos cheios de camadas e, ao longo da vida, a gente vai aprendendo a como usar cada uma delas. isso aqui não é um passo a passo para você aprender sobre amor próprio, isso aqui é uma história, um desabafo, porque sabemos que o processo não é fácil. e queremos lembrar que você não está sozinhe.

que tal começar a se olhar com mais cuidado e observar como você se sente depois de um dia longo? olhe para todas as coisas boas e incríveis que você fez. e se não conseguiu terminar tudo num dia, tá tudo certo. amanhã você termina. não se cobre tanto.

você é você, e é por isso que só você se conhece mais do que qualquer outra pessoa. respeite o seu tempo, tenha mais carinho com os seus sentimentos. repita as coisas boas, mesmo que elas pareçam meio bobinhas para aqueles que não vivem dentro do seu corpo. se escute. 

algumas coisas podem ajudar no seu autoconhecimento, como o skincare em dia, look incrível e melhores amigos sempre por perto, mas nada disso tem validade se você não (re) conhecer as mudanças no tempo no espaço que vem acontecendo em todas fases da sua vida. o processo é longo, mas vale a pena. 

a gente sabe que existem muitas formas de amor e, normalmente canalizamos a nossa energia naquele tipo que a gente acredita que merece. o sentimento é revolucionário e transformados, mas às vezes não corresponde às nossas expectativas. e tá tudo bem, né? na hora certa, as coisas vão se ajeitar. e pra não desperdiçar, canalize esse energia em outras áreas da sua vida ou naquilo que te faz mais feliz e faz sentido pra você, até porque e te faz sentir, faz sentido. e lembre-se: toda forma de amor transforma.

Comentários estão fechados.