esse é um assunto que a gente já falou por aqui, mas entendemos que é muito necessário manter ele aquecido. amor próprio não é algo que a gente aprende do dia para a noite. o processo é longo, mas muito recompensador. convidamos a psicóloga bruna krug lima para falar um pouquinho mais sobre. vem ler aqui embaixo!

a gente sabe amar o outro, né? sei que em alguns momentos encontramos dificuldades, mas em tantos outros é muito mais fácil amar o outro do que amar a nós mesmos. nossa sociedade adora reforçar características como altruísmo, solidariedade e empatia. e não tenho dúvidas de que isso é extremamente importante.

o problema é que cuidar da gente pode começar a soar como egoísmo. mas não é! precisamos estar bem para não sobrecarregar as pessoas queridas ao nosso redor com a obrigação de termos que ser cuidados por elas. também precisamos nos cuidar porque merecemos isso. precisamos encontrar dentro de nós mesmos formas de acolher os momentos de sofrimento que passamos ao longo da vida.

então pensa aqui comigo… como seria se direcionássemos amor e cuidado para nós mesmos? como seria se nos tratássemos com a mesma gentileza que tratamos nossos amigos queridos? você saberia como ou por onde começar esse processo? aqui eu separei cinco dicas para ajudar você nessa jornada:

  • de que forma você demonstra amor por você? você faz um chazinho gostoso? você escuta a sua playlist favorita? você passa um tempo com pet? você escreve? você lê aquele livro gostoso? de que forma você se acolhe? investigue isso com curiosidade e experimente para saber como você se sente com cada tipo de cuidado intencional.
  • e se você se abraçar? pare, respire e se permita se abraçar. pense em você como aquela pessoa especial que você não vê faz tempooo. e se abrace como se você estivesse esperado por esse abraço a sua vida toda! se abrace apenas com o objetivo de estar em contato com você e quem sabe se esquentar dentro do seu próprio abraço. permita que seu abraço seja um lugar seguro ao qual você pode recorrer sempre que precisar.
  • o que você gostaria de ouvir de você? escreva uma carta para si. uma carta gentil e reconfortante. faça desse momento um ritual: tenha tempo para escrever, coloque um cheirinho gostoso no ambiente, sente em um lugar confortável e escreva como se estivesse escrevendo para uma pessoa muito especial. você é essa pessoa especial! talvez você possa guardar essa carta e ler essas palavras carinhosas em momentos desafiadores.
  • se permita ser humano! já pensou em quantas vezes você se cobrou uma perfeição inatingível? já pensou quantas vezes você se puniu de forma grosseira por erros cometidos? claro que não queremos errar. mas erros acontecem e só erramos quando tentamos. seres humanos erram e são imperfeitos. tente lembrar de receber seus erros e imperfeições como parte do que é ser humano. lembre disso e se acolha nos momentos em que você se depara com suas partes humanas.
  • como você espera que as pessoas respeitem seus limites se nem mesmo você os respeita? talvez hoje seja um bom dia para repensar sobre isso. o que devo proteger em mim? do que não quero abrir mão? o que preciso expressar nas relações? como me sinto quando deixo que ultrapassem meus limites? como me sinto quando não respeito meus próprios limites? por quê não consigo respeitar meus limites? estou tendo alguma dificuldade para perceber quando meus limites são ultrapassados por mim ou pelos outros? essas são algumas perguntas para ajudar você a identificar seus limites.

 

eu sei que aplicar essas cinco dicas pode ser um desafio, tá? elas não são como uma receita de bolo que apenas precisamos seguir um passo a passo e tudo é muito simples (embora seguir uma receita de bolo também seja um desafio pra mim). essas dicas requerem investimento de tempo e investimento emocional. talvez você não encontre respostas rápidas para algumas dessas reflexões propostas. não se julgue se for difícil aplicar algo ou se perguntar sobre algo. mantenha a pergunta com você e tente manter a curiosidade ao seu lado. o amor também nasce a partir da curiosidade! que possamos nos manter curiosos a nosso respeito.

com amor,
Bruna Krug Lima
@psicoforadacaixa
Psicóloga CRP 07/29345

Comentários estão fechados.