O South By Southwest (SXSW) é um dos mais tradicionais festivais de música do mundo. No início do mês, fizemos as nossas apostas musicais junto com a Papisa, artista brasileira que também estreava no festival. Agora, depois de acompanhar o evento de perto, voltamos com a mala cheia de descobertas sonoras incríveis e com a certeza de que esse é um dos festivais mais legais do mundo e vamos te mostrar o porque.

SO FRESH, SO CLOSE

Diz aí onde é possível assistir bandas incríveis a poucos metros de distância? A grande maioria das apresentações no SXSW são em bares e casas de shows pequenas, recebendo de 50 a, no máximo, 500 pessoas. Rola assistir TODAS as bandas bem de pertinho, sem perrengue, do jeito que a gente gosta. Além disso, 90% da programação é composta por artistas estreantes ou por bandas conhecidas que estão lançado trabalhos novos. É tudo fresquinho, pode apostar. 

Golden Dawn Orquestra

UM FESTIVAL PRA CHAMAR DE SEU

O SXSW é um festival descentralizado. Dá pra montar um lineup só com bandas de hip-hop, ou só de rock, ou só de country, ou só de pop, ou todas ao mesmo tempo. Você decide. Isso é possível porque durante um único dia, são muitos shows rolando ao mesmo tempo em casas diferentes! Inclusive dá pra ir pra Austin na semana do SXSW e não ir no festival. A programação de side shows é intensa e durante o período também rolam outros festivais como o Flood Festival, Southwest Invasion e as casas de marcas como Vice, Vans, Volcom, Tumblr, Fader, Bumble e muitas outras.

Isso, sem esquecer das bandas que tocam nas ruas 🙂

GIRLS TO THE FRONT

Pussy Riot, Sudan Archives, Warpaint, Haim, Kelela, Papisa, Princess Nokia, G Flip, Sassy 009, Germans, Labaq, Superorganism, Oshun, Amara La Negra, Golden Dawn Arkestra, Porches, Tank and the Bangas… só pra citar algumas bandas formadas totalmente ou parcialmente por mulheres que tocaram no festival. Foi visível a presença feminina nos palcos, um reflexo da preocupação que o festival tem com a diversidade de gênero, raça e nacionalidade em todas as suas atividades.

Germans

Papisa. Quem viu o take over que ela fez no nosso Instagram?

Moonchild

SHOW DA LINIKER & OS CARAMELOWS

Se tem um show que merece destaque, é esse. Um dia após o assassinato da vereadora Marielle Franco, Liniker subia ao palco do SXSW pela segunda vez. Além de fazer um show incrível, que só confirma o seu merecido destaque internacional, ela fez um discurso certeiro sobre o que tinha acabado de acontecer em nosso país e sobre a importância da luta de Marielle Franco e de como é ser uma mulher negra no Brasil. Emocionante. Aqui dá pra ver um trecho do discurso #mariellepresente

Liniker no SXSW #mariellepresente

Nesse momento de loucura e intolerância que o Brasil vive é quando mais precisamos escutar e dar espaço a artistas como Liniker e os Caramelows: uma artista negra, gay e que traz o tema da diversidade de gênero pra mesa. Representatividade!A Juli conversou com ela no lounge Be Brasil da Apex-Brasil durante o SXSW 2018, e você pode conferir a entrevista completa no link aqui dos comentários <3O show foi maravilhoso, e Marielle estava presente.Hoje, vai acontecer um painel criado especialmente por causa dessas circunstâncias não desejadas. O painel se cham a "O que #mariellepresente significa para a música brasileira?". (https://schedule.sxsw.com/2018/events/PP99876). Estaremos lá.Que o luto vire luta!

Publicado por Bananas Music Branding em Sexta, 16 de março de 2018

O acontecimento também motivou os brasileiros que estavam participando do festival a colocarem de pé em menos de 24h uma palestra oficial com o tema O que #mariellepresente significa para a música brasileira, com a Liniker, Fabiana Bastistela, diretora da SIM São Paulo, Bruno Natal e Pedro Garcia. O papo completo pode ser conferido aqui:

SABER QUAL A PRÓXIMA BANDA QUE VAI BOMBAR É O QUE VOCÊ QUER, @?

Então a gente te conta! Como falamos no início deste post, o SXSW é conhecido por receber artistas consagrados que estão prestes a lançar músicas novas, mas também por nos apresentar a nossa próxima banda preferida. Quer um exemplo? Kendrick Lamar tocou no festival há 5 anos e olha onde ele está agora. Assim como The White Stripes, The Strokes, Amy Winehouse e Katy Perry. Esse ano, Porches, Kelela, Khalid, Albert Hammond Jr, Princess Nokia e Common foram os donos dos shows mais disputados no festival, mas quem roubou a cena mesmo foram artistas que nunca ouvimos falar até então, e aqui vão os nossos destaques:

GOLDEN DAWN ARKESTRA

Daqueles shows de tirar o folêgo. Os 14 integrantes da banda conseguem criar uma vibe hipnotizante, transformando o show em um espetáculo de circo e em um ritual ao mesmo tempo. É impossível sair indiferente de um shows deles!

PRINCESS NOKIA

That girl is a tomboy! Apesar de ter atrasado o show em meia hora, a rapper americana incendiou o público com as suas letras provocativas que trazem vários temas importantes à tona: desde os ligados a cultura queer até a situação dos latinos nos Estados Unidos. 

SUDAN ARCHIVES

Rainha absoluta. Descobrimos a artista um pouco antes de embarcar para Austin e tiramos a prova: ela é sensacional. Consegue entregar um show incrível sozinha no palco, disparando loops e tocando violino. Daquelas artistas para acompanhar de perto.

TANK AND THE BANGAS

Um dos shows mais enérgicos do festival. Não é a toa que eles ganharam o prêmio de melhor apresentação no Tiny Desk Content, promovido pela rádio NPR, no ano passado. Depois disso, o som deles que mistura funk, groove, R&B e jazz, começou a ganhar a ateneção de rádios do todo mundo. E também conquistou a gente lá SXSW! Sabe aquele show que a gente gostaria que todos os nossos amigos assistissem? Pois, é este. 

SUPERORGANISM

Uma das boas surpresas do festival, ouvimos ótimos comentários de todos que foram aos shows da Superorganism. A banda não chamou apenas a nossa atenção, grandões da música como Frank Ocean e Ezra Koenig, do Vampire Weekend, estão de olho na banda desde o lançamento do seu primeiro single: “Something For Your M.I.N.D”. Outra curiosidade é que o grupo é formado por OITO artistas de diferentes cantos do mundo que se conheceram através de fóruns online. Então, teria melhor lugar pra estrear do que o SXSW: um festival que ama unir pessoas do mundo todo e tecnologia? 🙂

PORCHES

Os shows do Porches, projeto do nova iorquino Aron Maine, foram os mais disputados e cheios do SXSW. Com um setlist que mesclou músicas do recém lançado “The House” e sons do début “Pool”, de 2016, o cara levou o público à loucura com o seu carisma e habilidade em tocar um indie pop, regado a synths, de muita qualidade!

O show estava tão legal que nem deu tempo de tirar foto 🙂

Teve muito mais e atualizamos a playlist com as apostas do SXSW lá no nosso Spotify, corre pra descobrir mais bandas incríveis:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *