Um trabalho garantido, com um salário do qual não dá pra reclamar… 01 sonho? O de muitos, com certeza.

Mas e se o trabalho para de trazer a satisfação que você busca, ou se cai naquele marasmo? E se você simplesmente está a fim de fazer algo novo? Você teria coragem de largar tudo pra fazer acontecer aquele projeto pessoal?

A história do Arthur Blaj é essa. Já conheceu o Arthur? Dá uma olhada aqui então:

Ficou inspirado? A gente também. Por isso, fomos atrás dele pra pegar uns conselhos sobre como fazer essa revolução na vida – e fazê-la dar certo.

Prepara o print aí, que lá vem coisa boa.

 1. Vai dar medo? #comofas?

Com certeza dá medo/ insegurança; você está se jogando no desconhecido, corre o risco de não dar certo, de se frustar, de fracassar perante os outros… A minha dica para driblar isso é refletir realmente em qual o tamanho do risco que você está correndo. Quando eu me dei conta de que, se desse tudo errado, eu ainda teria teto, comida, banho quente, minha família e amigos, minha percepção do risco real que eu estava correndo mudou. Passou a ser somente um risco de tempo e imagem, o que eu estava e continuo estando disposto a arriscar. 

foto_3

Via Pinterest 

2. O desafio foi lançado apareceu: e agora?

São vários os desafios! Mas acho que as palavras-chave são: controle emocional, disciplina e disposição. Não necessariamente nessa ordem. Controlar a ansiedade, saber que as coisas acontecem aos poucos, é muito importante. Disciplina é vital para que as coisas andem – procure colocar prazos para resolver cada coisa e lembre que, para começar, o “bom” é sempre suficiente. Se você buscar o excelente em tudo, provavelmente vai perder tempo demais em cada etapa. Por último, a disposição para enfrentar um problema novo, que você nunca enfrentou antes, quase todo dia, é imprescindível; você precisa ser criativo para resolvê-los. Seja acessando sua rede de contatos para falar com alguém que possa ter passado por algo parecido, lendo livros / artigos na internet, ou até videos no Youtube sobre esses assuntos.

foto_2 

3. Vai dar certo?

Se você estiver fazendo tudo o que estiver ao seu alcance, vai dar! Mas também é importante pensar que, ao empreender, o processo, a jornada, são mais importantes do que o resultado. Não conheço ninguém que empreendeu e não aprendeu nada, independente se o negócio deu certo ou errado. No fim das contas, conta como uma pós-graduação ou MBA se der errado, e, se der certo, vira o seu negócio 🙂

 

4. Por onde começar?

Eu acho que o mais importante é você pensar no propósito – qual a razão de você estar fazendo aquilo. Sempre vai faltar alguma coisa, mas, se você tem a razão do seu negócio existir bem definida, fica relativamente “fácil” montar uma nova área, estratégia, no momento em que você se der conta que aquilo está faltando. O segundo passo mais importante é fazer um bom planejamento financeiro – saber quanta grana você vai precisar para fazer aquilo, para não deixar o projeto morrer no meio por causa disso. 

foto_1

5. E dá pra fazer desse sonho de projeto uma realidade para outras vontades também – como você faz com as ações sociais da LIVO?

De novo, eu acho que a palavra que resume isso é propósito. No meu caso não foi só a integração com a atividade social, isso faz parte de uma figura maior – eu e meus sócios queríamos criar uma empresa que fosse reflexo do país que a gente imagina: valorizando todos os stakeholders envolvidos com a LIVO. Essa é a razão de a gente existir. O projeto social visa valorizar o stakeholder “Sociedade”, mas pensamos nos outros também. Escolhemos produzir no Brasil para fomentar a indústria brasileira, em vez de alguma gringa; temos um atendimento que consideramos muito acima da média para se relacionar com o stakeholder “cliente”; temos relacionamentos sustentáveis com todos nossos fornecedores; interagimos de uma maneira super descontraída e respeitosa com a nossa equipe… Enfim, gostamos de pensar que se a maioria das empresas no Brasil se comportasse como a LIVO, estaríamos certamente numa posição bem melhor do que estamos agora. 

 

6. Primeira e última coisa a pensar no dia?

Acho que são parecidas: pense que todos os produtos que você usa, todas as empresas das quais você consome, tudo isso foi criado e inventado por alguém não necessariamente mais inteligente ou capaz do que você. A porcentagem de gênios no mundo é infinitamente menor do que a porcentagem de empresas de sucesso. Aqui mesmo, ninguém é gênio. Inclusive nunca me dei no mundo acadêmico. Mas disposição, coragem e um propósito bem claro fazem com que todo dia a gente dê um passo mais longe rumo ao que consideramos ser o sucesso. Por isso, vai lá e faz! 

(Valeu, Arthur! <3 )gif blog

Via Giphy

 

Comentários estão fechados.