Pegue um calendário ✓
Lembre que o Natal já passou ✓
Tome um susto ✓
Pense “2015 passou VOANDO” ✓

giftaylor

Não tem como evitar: esse é o ciclo MALUCO de todo final de ano. Logo, se você chegou até aqui com a sensação que caiu de paraquedas, sinta-se abraçado. Você não é o único que não se lembra que “Lean On”, do Major Lazer, e “Uptown Funk”, do Mark Ronson, foram lançadas em 2015.
Pensando nisso, a gente criou esse post resumindo o que de mais importante rolou nesse ano na música. Pra que você possa contar direitinho pros filhos e netos (acredite, eles vão chegar um dia e perguntar!) os barracos, revelações e até mesmo as parcerias memoráveis do ano da cabra:
1. Fresh Faces
Pra começar, nada melhor do que falar dos artistas que tiveram seu álbum de estreia lançados esse ano e que ARRASARAM logo de primeira 🙂
Os que, sem dúvida, ganharam nosso <3 e espaço ilimitado na trilha sonora das lojas Youcom foram o Jamie XX com o “In Colour”, o Shamir com “Ratchet” e a Courtney Barnett com o álbum “Sometimes I Sit And Think, And Sometimes I Just Sit”. Guardem esse rostinho:

courtney

 

Você pode saber mais sobre essas bandas na nossa lista de melhores do ano.

2. Old But Gold
Além dos rostinhos novos, 2015 também foi marcado pelo retorno de bandas que a gente adora e que estavam há um tempinho sem se reunir. O Blur, por exemplo, ficou DOZE ANOS sem entrar em um estúdio e quebrou esse hiato em abril com o ÓTIMO “Magic Whip”, que rendeu músicas memoráveis como “Go Out”, “Lonesome Street” e “Ghost Ship”.

blur

Outra banda que não dava as caras fazia milênios é a Sleater Kinney. O trio de Olympia formado só por garotas chamou e MUITO a atenção da crítica com “No Cities To Love” – um álbum que tá entre os melhores desse ano, mas que teria feito facilmente sucesso nos anos 1990.

sleaterkinney

O grande retorno deste ano foi, sem sombra de dúvida, o da Adele. E não é pra menos: a britânica sumiu do mapa durante quatro anos e voltou com TUDO. O single “Hello” foi um chute na boca do estômago de todo mundo e alavancou o lançamento do disco “25”, que rendeu quase 4 milhões de cópias físicas só na primeira semana de vendas. Precisa dizer mais alguma coisa? 🙂

adele

3. Túnel do tempo?
Não foram só o retorno dessas bandas que deram um tom a mais de nostalgia pra 2015. Isso porque o ano foi marcado por uma FORTÍSSIMA influência dos anos 1990. Se há pouco tempo, os acordes psicodélicos e as roupas boho dos anos 1970 eram tendência, agora a década do xadrez, das chokers e dos cabelos coloridos voltou com TUDO! E, claro, que a música não ia ficar de fora do movimento. Ritmos como o grunge, o shoegaze e o hip-hop tiveram uma SUPER visibilidade lá atrás e agora não é diferente.
Prova disso são álbuns BRUTAIS como “Ivy Tripp”, da Waxahatchee, “Feels Like”, da Bully, e “B’lieve I’m Going Down”, do Kurt Vile. Você pode conhecer mais sobre essas influências aqui: http://bit.ly/1IUCazl

4. Disco do Ano
Nós citamos álbuns ótimos até agora, mas NENHUM deles teve tanto destaque quanto esse aqui: “To Pimp A Butterfly”, do Kendrick Lamar.

kendrick

“Eu não gosto de rap”. Bom, isso não é motivo pra não ouvir o novo disco do Kendrick Lamar que além de ser rap é também funk, rock e até mesmo jazz. Tem participações especiais de grandes nomes como George Clinton, Dr. Dre, Snoop Dogg e instrumentistas excelentes. Mas, acima de tudo, “To Pimp A Butterfly” é um registro importantíssimo sobre preconceito, hipocrisia, apropriação cultural, escravidão e capitalismo. Uma aula de história que cita Malcom X, Nelson Mandela, Alex Haley e Michael Jackson – ícones da luta negra.

5. Artista do Ano

Você até pode achar que não conhece Wesley Pentz, o Diplo, mas nós vamos te provar que ele DEFINITIVAMENTE pôs em prática o plano de dominar o mundo em 2015 🙂
Vamos aos fatos: o cara já era um SUPER produtor musical e DJ. Não satisfeito, se uniu com ninguém menos que Skrillex pra lançar um projeto chamado Jack Ü e músicas como “What Do Ü Mean” e “To Ü”. Ele também é a cabeça por trás do Major Lazer, que lançou esse ano o álbum “Peace Is The Mission”, embalado pelo single “Lean On”. Lembra?

leanon

Pra completar, ainda arranjou tempo pra carreira solo e lançou uma música que nem bombou (insira ironia aqui): “Be Right There”. Ligou os pontos? Diplo é o nome do ano. Não é a toa que o posto de primeiro lugar do shazam do ano é dele…

diplo

6. Injustiçados
Assim como no Oscar, na música nós também temos os injustiçados. São discos que bombaram MUITO quando saíram e que foram esquecidos nas listas de melhores do ano. “Sound & Color”, do Alabama Shakes, “1000 Forms Of Fear”, da Sia, “Peace Is The Mission”, do Major Lazer, e “Uptown Special”, do Mark Ronson são exemplos claros disso.
O importante é que a gente não esqueceu e queremos que vocês não deixem eles de lado também. Bora ouvir? 🙂

giphy

7. Streaming <3
Não dá pra falar de 2015 sem lembrar de Spotify, Apple Music e Tidal. As plataformas de streaming são tão protagonistas desse ano quanto os lançamentos dos últimos meses. O motivo? Esses apps não estão mudando só o mercado como também a forma como nós ouvimos música. É só parar pra pensar na última vez que você baixou uma música ou ouviu um álbum inteiro no lugar de uma playlist…
Mas não é todo mundo que tá curtindo a mudança. Vários artistas optam por não fazer parte dos serviços (Adele, Beatles, Neil Young) e a Taylor Swift inclusive armou o maior barraco esse ano quando o Apple Music foi lançado. Vem relembrar o porquê: http://bit.ly/1T1Y2t0

8. Tretas
Falando em tretas, as polêmicas desse ano ficaram em volta da Taylor Swift, Miley Cyrus e Nicki Minaj. Junte tudo isso e terá o VMA desse ano. Que foi SÓ ba-pho: Taylor Swift brigando com a Nicki Minaj que ficou #chateada por não ter sido indicada ao prêmio de melhor clipe feminino e quase roubou o astronauta da loira…

nickiminaj

Quem ganhou DISPARADO o troféu de barraqueira do ano foi Azealia Banks. Ela pegou muito no pé da Iggy Azalea e da Nicki Minaj. Se fossemos citar aqui todas as polêmicas que ela protagonizou, iríamos ficar até amanhã. Então, vamos falar da última. Ela deixou um recado pros indicados ao Grammy: “O álbum do Macklemore não é melhor que o álbum do Drake. Essa Iggy Azalea não é melhor do que qualquer garota negra que faz rap hoje”.

azalea

Comentários estão fechados.