A gente comemorou o Dia do Cinema Brasileiro em 19 de junho e está aguardando agosto chegar para ver o Festival de Gramado – o mais antigo e um dos mais importantes do Brasil. Isso quer dizer que é tempo de dar aquela atenção ao cinema nacional.

E se você acha que filme brasileiro bom é só filme antigo ou aquela pancadaria em favela, saiba que há outras tantas obras (bem) recentes que não são nem uma coisa (antigas), nem outra (sobre favelas).

E são Bons. Com B maiúsculo.

Vem ver.

 

1. Ainda Orangotangos, de Gustavo Spolidoro, 2007

É o primeiro filme gravado em plano sequência no Brasil (uma única cena, sem corte), tem o nome de um livro do Paulo Scott e mostra como o clima gaúcho é louco barbaridade (o calor escaldante do filme versus aquele friozinho chic de Gramado que você sempre vê na TV).

 

2. Reflexões de um Liquidificador, de André Klotzel, 2010

Essa é a história de uma mulher vivida por Ana Lúcia Torre, que embalsama animais e fala com o liquidificador. O liquidificador, por sua vez, é Selton Mello. E se nada disso te convenceu a ver o filme, a gente promete que você vai ficar feliz de ter assistido a essa obra-prima de Klotzel quando chegar à cena final. Sem spoilers, sem spoilers… 😉


 

3. Elena, de Petra Costa, 2012

Um documentário triste, brilhantemente executado por Petra Costa. A história é a trajetória de sua irmã, Elena, uma aspirante às artes cênicas que comete suicídio nos anos 1990. Pega o lencinho e a melhor amiga (sua irmã é uma boa) e assista. É lindo. Mesmo.

 

4. O Lobo Atrás da Porta, de Fernando Coimbra, 2013

Qualquer coisa que a gente falar sobre esse longa será pouco e muito ao mesmo tempo. É maravilhoso. Assiste.


 

5. A Estrada 47, de Vicente Ferraz, 2014

A participação brasileira na Segunda Guerra, cheia de tensão, campo minado e prêmios – esse filme estreou levando o Kikito no ano passado. Muito :O.

 

E então, sessão pipoca no final de semana?

Comentários estão fechados.