Às vezes, nós gostamos tanto de um artista que acabamos esquecendo que eles são gente que nem a gente e não nasceram com tudo ganho. Muitos deles tiveram que passar por poucas e boas pra chegar onde chegaram. Mas e  se eles tivessem desistido? 🙁

Fizemos uma listinha com 8 artistas que passaram por trabalhos e lugares no mínimo inusitados antes de se tornarem músicos:

1. Lana Del Rey

Antes de ser Lana Del Rey, Elizabeth Grant (esse é o nome da Lana) estudou Metafísica na Fordham Univesity, de Nova York. Mas que raios é metafísica? É um ramo da filosofia que estuda a essência do mundo buscando encontrar respostas sobre a realidade, a vida e o que é sobrenatural ou natural.

Na época, ela tinha 18 anos e recém tinha saído da ~rehab~: “Eu estava interessada em Deus e em como a tecnologia poderia nos ajudar a entender de onde viemos e por que”, contou pra Q Magazine. Que bom que o tio da Lana ensinou ela a tocar guitarra durante a faculdade. Ao contrário, ela poderia estar filosofando até hoje…

LanaDelRey

 

2. Jack White

Já imaginou o Jack White vestido de padre? Pois foi por pouco que o rockstar não entrou pra Wilconsin. Ele chegou a ser chamado, mas desistiu grazadeus quando percebeu que não poderia levar pro seminário o amplificador que recém tinha comprado.

Aos 15 anos – depois da sua breve carreira eclesiástica – Jack começou um curso de estofamento e acabou abrindo uma loja chamada “Third Man Upholstery” cujo slogan era “Sua mobília não está morta”. Dentro dos móveis conSertados, ele escondia poemas e até discos caseiros <3

O negócio ia super bem, mas não era muito lucrativo porque ele não sabia controlar a grana. Hoje, o cara tem um selo chamado “Third Man Records” com o slogan “seu toca-discos não está morto”. Coincidência?

JackWhite

 

3. Franz Ferdinand

O pessoal do Franz Ferdinand não era mais tão novinho assim quando a banda estourou. Por esses e outros motivos, eles tiveram tempo de sobra pra acumular trabalhos bizarros, faculdades duvidosas e diversas bandas no currículo.

Alex Kapranos, por exemplo, antes de ser vocalista do Franz se formou na faculdade de Literatura Inglesa de Glasgow e estudou um semestre de Teologia. Nesse meio tempo, acabou passando por vários empregos: professor, lavador de pratos, chefe de cozinha, entregador de comida indiana, MOTORISTA DE AMBULÂNCIA, bartender e promoter de festas.

Já o guitarrista Nick McCarthy chegou a ser ator e fez ponta na série alemã “Der Kaiser von Schexing” como o personagem Robert Chattan. Além disso, estudou música clássica (piano e baixo) no Conservatório de Munich, na Alemanha. Pra se sustentar ele fazia performances na rua com calças esfarrapadas, sapatos grandes e um nariz vermelho de palhaço.

E por último (mas não menos bizarro) vem o baterista Paul Thompson. Ele trabalhou como modelo nu quando cursava a Escola de Artes de Glasgow e chegou a vender a gordura do corpo por 250 libras pra poder pagar as contas…

AlexKapranos

 

4. Los Hermanos

No final dos anos 1990, boa parte do Los Hermanos estudava na PUC do Rio de Janeiro. Foi lá onde eles se conheceram: Marcelo Camelo e Rodrigo Amarante eram do Jornalismo, Rodrigo Barba da Psicologia e Bruno Medina da Publicidade. O único que se formou foi Medina 🙂

É engraçado pensar que o Rodrigo Amarante fazia Jornalismo. Ele, que já causou a maior polêmica com uma jornalista:

Mas, pera lá! Em entrevista, ele já explicou que não curtia o curso: “Se não tivesse feito jornalismo, não estaria no Los Hermanos. Conheci pessoas incríveis naquela faculdade, mestres, pessoas que viraram professores. O curso em si foi uma depressão. Enfim, estudei muito, tive aulas maravilhosas, aprendi francês. Mas não me formei. Tivemos de sair antes”. Aí ele virou bailarino…

Amarante

 

5. Allah-Las

Sabia que o pessoal do Allah-Las se conheceu durante o trabalho? Os caras que tocaram no começo do ano aqui no Brasil trabalhavam na Amoeba Music, em Los Angeles, quando formaram a banda em 2008.

Pra quem não conhece, a Amoeba Music é a maior loja de discos de vinil do mundo, ou seja, a Disney dos colecionadores. Com um estoque de mais de um milhão de CD’s, vinis, cassetes, DVD’s, o ambiente é incrivelmente inspirador. E com certeza influenciou na formação da banda. A loja também é conhecida pelos seus pocket shows. E, claro, o Allah-las voltou sem os crachás pra tocar por lá:

6. Lou Reed

É difícil imaginar Lou Reed, um dos caras mais geniais do rock, desempregado. Pois em 1971, ano em que o Velvet Underground acabou, ele voltou pra casa dos pais em Long Island e não viu outra saída senão trabalhar como digitador. Na época, não era todo mundo que sabia usar a máquina de escrever, por isso, foi fácil conseguir o emprego. Felizmente, um ano depois, ele conseguiu um contrato e voltou pra música lançando o seu primeiro disco solo <3

LouReed

 

7. Morrissey

Quem diria que o Morrissey, vocalista do The Smiths e cara mais polêmico da história (só perde pro irmãos Gallagher no quesito chatice), trabalhou na Receita Federal da Inglaterra? É isso mesmo. E o mais cômico nessa história toda é que no tempo que ele trabalhou pro governo enviou diversas cartas pra revista New Music Express perguntando se “ele poderia ser punk trabalhando na Receita Federal”. Boatos que a resposta foi dada…

Morrissey

 

8. Peter Doherty

Antes de ser junkie, vocalista e guitarrista do The Libertines, do Babyshambles e de ficar conhecido como “o namorado da Kate Moss”, Peter Doherty era um cara normal. Ele recebeu uma educação super católica e ia muito bem no colégio. Inteligentíssimo, ganhou uma bolsa pra estudar LÍngua Inglesa na Queen Mary,  Universidade de Londres.

Na época da faculdade, ele trabalhou no cemitério Willesden onde fechava sepulturas, mas na maior parte do tempo lia e escrevia sentado nas tampas fúnebres. Porém, não demorou muito tempo até Doherty conhecer o guitarrista Carl Barât e largar tudo de mão. Bom, o resto é história…

PeteDoherty

Comentários estão fechados.