Se você veio parar aqui, nesse texto, nesse blog, nesse site é porque você curte música tanto quanto a gente. E se você curte música, certamente já teve discos. E se teve discos, alguma vez já deixou aquele álbum preferido tocar no talo, saiu pra fazer outras coisas e acabou esquecendo o cd dentro do aparelho de som.

É aí que a *mágica* acontece. Depois de vários minutos de silêncio, começa a tocar aquela música misteriosa, que quase sempre não está na lista de faixas do encarte do disco. É ela, a incrível, a soberana, a que te fisga na primeira ouvida: a hidden track.

Foi (MUITO) difícil, mas elegemos as 7 mais incríveis de todos os tempos:

 1. Bloc Party – “Every Time is The Last Time”

Bloc Party: a banda britânica que no álbum de estreia já destruiu. Sdds 2007, quando clássicos dos cancioneiros indie como “Banquet” enchiam as pistas da noite ~underground~. Eis que entre as guitarras manjadinhas (que sempre dão certo) está a pérola do disco. “Every Time is The Last Time” dá vez à calmaria e funciona como um antídoto feito pra curar toda piração sonora que veio antes.

Tão bom e refrescante que te deixa pronto pra ouvir todo o álbum de novo.

 2. Yeah Yeah Yeahs – “Poor Song”

Era 2003 e o trio, um dos grandes hypes da época, lançou seu primeiro disco dando razão ao falatório que rolava no ~tempestuoso~ mundo musical da época. Quebraram tudo. Além das batidas pulsantes e das guitarras explosivas, às vezes a maravilhosa da Karen O tirava a maquiagem punk. “Poor Song” é um exemplo. OURO escondido no silêncio que sucede “Modern Romance”.

Certamente uma das melhores faixas do álbum, do electro rock, do mundo:

 3. Green Day – “All by Myself”

Os acordes pesados, a distorção, o humor e a ironia em “Dookie” marcaram a adolescência de qualquer fã de rock dos anos 90. Esse álbum revolucionário TINHA que ter uma hidden track. Isso tudo fica ainda mais foda com “All by Myself”, a faixa secreta que é acústica e é uma ode à masturbação. Sério.

Cantada e composta por Tre Cool, o baterista da banda, é simples e mesmo assim, incrível:

4. TV On The Radio – “Mr. Grieves”

O EP de estreia do TV On The Radio trouxe 4 (opa, na verdade 5) faixas que não só apresentaram pro mundo o novo som que vinha do Brooklyn, como também um estilo nada óbvio. E mais, homenagearam o Pixies: aqui a faixa secreta é na verdade um cover, à capella, de uma música originalmente encontrada em “Doolittle”, um dos álbuns mais destruidores de todos. Se isso não é incrível…nada mais será.

5. The Roots – “Rhymes and Ammo/ Thirsty!”

The Roots: um dos grupos de hip-hop e neosoul mais fodas e mais influentes do mundo. Poucos unem pitadas de tantos estilos com tanta maestria. Jazz, blues, reggae, soul e até punk rock. Obviamente os caras iam ter hidden tracks tão sensacionais quanto o restante das suas músicas. Sim, porque “Rhymes and Ammo/ Thirsty” são, na real, duas faixas feitas em parceria com Talib Kweli. Aparecem no álbum mais experimental deles, o “Phrenology”, e dão o gancho criativo perfeito pra tudo terminar tão bem quanto começou. É pedrada em forma de música:

6. Beach House – “Wherever You Go”

Em 2012, a obra-prima do dreampop, o álbum “Bloom”, chegou às lojas. Era o paraíso das hidden tracks. “Wherever You Go” parece também um mashup, já que a melodia aparece em “Silver Soul” e na intro. Só que na faixa secreta o vocal de Victoria deixa tudo diferente. E lindo:

7. The Clash – “Train in Vain”

Revelações: na verdade, “Train in Vain” não era pra ser uma hidden track, foi sem querer. Ela entrou pro disco na última hora e os encartes do álbum já tinham sido impressos. Mas, ah, assim tem muito mais graça, né? Lançada como o terceiro –  e último – single do “London Calling”, foi a primeira faixa que colocou a banda no Top 30 das paradas americanas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *