Ahhh, as férias! <3

Sinônimo de meses de folga, zueira, festerê e muitas histórias pra contar. Eis que aí chegam as águas de março fechando o verão, terminam com tudo e anunciam que (tãnãnãnãm): hora de voltar pra rotina.

Tanto faz se o que reinou nessas férias foi a falta de sobriedade ou o excesso de lucidez (até porque tudo depende do ponto de vista), vai pintar aquele gostinho amargo de F*DEU, amanhã tem que acordar cedo.

CALMA, estamos aqui pra te ajudar com música boa, nova e brazuca! E garantimos: com esses antídotos sonoros você vai ficar preparado psicologicamente pra recomeçar e ir pra aulinha, pro trampo e pra vida social bem de boa. Dá o play na seleção que fizemos de artistas da nova geração da música brasileira e vem curtir a sonzeira – é só clicar aqui 😉

1. CURUMIN

O codinome Curumin veio de um apelido de infância, mas por ~crença que parível~ ele não é descendente de índios e sim, de japoneses e espanhóis. Talvez tenha sido essa mistura inusitada que tornou o som do compositor, multi-instrumentista e cantor Luciano Nakata algo tão ímpar. Com o jeitinho que só a nova geração da música brasileira tem, Curumin mistura soul, funk e samba e faz um som MUITO bom.

Curumin

2. VANGUART

O nosso amor por Vanguart não é segredo pra ninguém. A banda já bomba nas nossas playlists e sempre toca nas nossas lojas. E como poderia ser diferente, né? Com um nome retirado de um documentário do Andy Warhol, a banda reúne referências super bacanas e faz um indie folk querido e que é bom de ouvir em qualquer ocasião. É carinho pros seus ouvidos.

Vanguart

3. MAHMUNDI

Impossível não se apaixonar pela Marcela Vale depois de ter visto ela ao vivo no MECA 2015. Com estilo próprio, ela une música eletrônica, lo-fi, poesia brasileira e referências oitentistas de uma forma única. E não é só o som que é incrível, ela também é. “Ficar rica e ter dente de ouro não é minha meta. Eu quero tocar as pessoas”, disse ela em uma recente entrevista. Mahmundi é <3!

Mahmundi

4. O TERNO

Algo um pouquinho menos ~leve~ pra dar um sacode também é importante na hora de recomeçar o ano. O Terno é uma banda paulistana de rock que manda MUITO. Começaram fazendo covers de Mutantes, Beatles e The Kinks e só por aí já dá pra ver que os caras sacam de música boa. Referências na cena indie brasileira atual, são uma das principais fundadoras do selo coletivo Risco, que surgiu da união de bandas que queriam lançar seus próprios discos. É…os caras são destruidores mesmo.

O terno

5. SILVA

Essa é pra curar de vez a tristeza de fim de férias. Música calminha, com um pézinho no eletrônico e conduzida pelos vocais hipnotizantes de um cabixaba de vinte e poucos anos. Silva é um simplificador da música brasileira, que faz um som minimalista, sensível e viciante. É impossível não amar.

Silva

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *